LIVROS

A gente só é bonito quando a mãe da gente acha: psicanálise e adoção

Código

4488

(R$) 51,00

“É o Rio Negro e o Rio Solimões se cruzando. A mamãe disse que eles se cruzam, mas eles não perdem a cor.” Assim se apresenta um desenho em análise com o qual a criança parece indagar: “posso ser um com o outro sem me perder? Como os rios, somos apenas diferentes, mas podemos nos cruzar e desembocar na mesma família – quem sabe?”

Esse era o mote das sessões dessa menina negra, então com 11 anos, adotada por uma mãe branca – desde a escolha de bonecas que se parecessem, para serem mães e filhas, crianças que podem ser compradas em orfanatos ao gosto dos pais, maquiagens que transformam o rosto e filhotes de espécie ou de raça diferentes de seus donos até história do pato feio que deseja virar cisne, enfim, toda uma série de possibilidades que interrogavam como se encontrar em seu lugar de filha sem se assemelhar à sua mãe na cor.

O conceito psicanalítico de identificação, como a forma mais primitiva de laço amoroso com seu papel fundamental na construção do Eu, tornou-se imperioso para caminhar em seu atendimento. De suas questões surgiu, então, o desejo de apresentar essa clínica, que é a clínica da escuta de uma filiação – sempre é, mas aqui se desvela nesta narrativa singular, que, na transferência, atravessou-me e impôs-me um trabalho de elaboração teórica, o qual não pude recusar. Jade – como a chamei aqui – leva-nos, uma vez mais, a vislumbrar quão delicadas são as relações afetivas que permeiam a história de cada um.

Adentremos, pois, com todo respeito e cuidado, no universo de sua cena psíquica, para quem era absolutamente óbvio que “a gente só é bonito quando a mãe da gente acha”.

Editora

Appris

Autor

Cláudia Cruz Xerfan


Produtos Relacionados